domingo, 15 de agosto de 2010

Uma Casa Azul no meio do Sertão


Já faz quase uma semana que voltei de Nova Olinda, no sertão do Ceará, quando participei da mostra "Cariri Mostrando a Nona Arte dos Quadrinhos e Animação", realizada pela Fundação Casa Grande.
Resta saber quem tinha mais a mostrar, se os convidados ou nossos anfitriões.
Antes de ir, escrevi para Alemberg Quindins, o diretor da Fundação: "usem e abusem de mim quando eu estiver aí". Como sempre, foi pouco. Participei de uma mesa e dei uma breve oficina.
Por isso me coloquei à disposição da meninada, e de alguns marmanjos também.

Falei de meus personagens e até desenhei alguns Dom Joões, mas o que fez sucesso - como negar? - foram os personagens do Maurício. Nessa foto abaixo, feita na bem organizada gibiteca, acabei de rabiscar um Chico Bento:

Momô (José Wilson), Huguinho, Raimundo Júnior (perto do ombro de Momô), Rodrigo (filho de dona Meirivan, que nos hospedou em Nova Olinda), Danilo, eu e Felipinho.

O encontro foi muito rico, com um time bem variado de convidados, especialistas não só em HQ ou animação, mas em organização de eventos como este e gibitecas:
- quadrinhistas: Jô Oliveira, André Diniz, Klévisson Viana, Luís Afonso, Weaver Lima e eu;
- jornalistas: Sidney Gusman, Gabriela Romeu;
- gestores culturais: Raymundo Netto, Tibico Brasil, Paulo Amoreira, Maristela Garcia;
- diretores de festivais de HQ: Nelson Dona (Amadora) e Paulo Monteiro (Beja), de Portugal;
- produtores de animação: Daniel Schorr, Belinda Oldford, Ricardo Juliani, Paulo Brandão e Elizah Rodrigues (sonorização);
- pesquisadores: Sonya Bibe Luyten, Max Krichanã, Gervásio Santana;
- e o cosplay e cover de Tex, o colecionador G.G.Carsan.

(mais detalhes sobre cada convidado aqui)


Antes de chegar a Nova Olinda, fomos a Juazeiro do Norte pedir a benção ao santo padim Padre Ciço, pedido feito por Jô Oliveira à produção do evento.

Nas fotos acima, a partir da primeira à esquerda: Jô, eu e André Diniz; Gabriela, Gervásio e Diniz; padre Cícero; Jô e Sidney Gusman; Patativa do Assaré e este que vos tecla.

O grande poeta de Assaré foi clicado no Lira Paulistana, centro cultural dedicado a preservação da arte da xilogravura e do cordel.


Acima, a partir da primeira foto: o xilógrafo José Lourenço Gonzaga e Jô Oliveira posam diante do Pavão Misterioso, arte do Jô; e nas seguintes mestre José Lourenço demonstra numa impressora dos anos 20 como se imprime uma xilogravura.

Aqui, um link pra saber mais sobre este artista.

(Falar que o Jô Oliveira é quadrinhista é contar só metade da missa: ele é um artista extraordinário, ilustrador entranhado na arte popular brasileira, com atuação e fama internacional. Num outro post eu falo com mais detalhes deste e de outros cabras).


Acima, algumas imagens das mesas em que os convidados falaram um pouco sobre suas atividades. Do alto à esquerda em diante:

1. Gervásio, Gusman e Diniz, em mesa sobre divulgação dos quadrinhos, blogs e coisas afins;
2. mesa de animação: Daniel Schorr e Belinda Oldford (que fizeram desenhos no National Film Board do Canadá) e Elizah e Paulo Brandão (sonorização, vozes e música - Elizah nos brindou com uma palhinha no show que teve no sábado, da banda Abanda dos garotos da Fundação);
3. Paulo Amoreira, da Gibiteca de Fortaleza, e o cãmera Helinho;
4. o grande Klévisson Viana (é outro em que o adjetivo "quadrinhista" lhe soa pequeno: Klévisson é editor, escritor, cordelista e um grande cultivador das tradições nordestinas);
5. Amoreira, Maristela Garcia (da Gibiteca de Curitiba), Jenfte e Samuel, da Gibiteca da Fundação.
6. mesa da BD (HQ) portuguesa: Nelson Dona (festival de Amadora), Luís Afonso (cartunista) e Paulo Monteiro (festival de Beja).

Acima, Alemberg Quindins, Sonya Luyten, Klévisson Viana e Jenfte; agachados, Felipinho e Momô.
Não posso deixar de registrar o belíssimo show de Abanda, na sexta à noite.
Os rapazes tocaram acompanhando e ampliando o vídeo "Rua do Vidéo" numa mistura muito rica dos trovadores, poetas e cantores populares (vejam este Cego Heleno, não parece um bluesman? tocando, mais ainda) com sonoridades modernas.
Não está na foto, mas na percussão esteve o André Magalhães, que dirigiu o vídeo.
Nas duas fotos do alto, os diretores da FCG Alemberg e sua esposa Rosiane Limaverde, arqueóloga (pois é, tem um trabalho legal com fósseis na região, tem um acervo arqueológico, é tanta coisa...) cantam no vídeo a forte e hipnótica "Waiucá".
- êêê manacá... rainha, rainha... Jurema, Jurema...
- Entoe para mim o canto das filhas órfãs do Reino dos Encantados...
Super bonito. Infelizmente, não tem no Youtube.
(a Wiliana acabou de me avisar que tem sim, neste link: http://www.youtube.com/watch?v=_k6en8A09sE . Não é a mesma gravação, a do vídeo está mais limpa e a voz do Alemberg mais grave, acho que ficou melhor; mas é isso aí, é pra escutar e entrar em transe :)
O Alemberg sabe fazer rir, sabe comover e sensibilizar, sabe escolher palavras precisas, simples e poéticas, fruto de suas andanças pesquisando os mitos da região e a cultura kariri.
Gostei muito de conhecê-los, e pode contar comigo para defender a Bolota, Alemberg :)


E eu e a turma: Ana Carla, Felipinho, Momô (José Wilson), Júnior e, quase de costas, a valente Cuta que precisava lembrar aos convidados que o tempo havia acabado.


Acima, eu e Momô desenhando (Momô é o autor do desenho que abre este post, colorido por mim).
Abaixo, desenho de Danilo.

E para terminar, Raimundo Júnior, que me deu este retrato de presente, sem esquecer nem um detalhe:

11 comentários:

  1. Caríssimo Spacca:

    Um prazer imenso ler o seu blog e lembrar o tanto de carinho trocado nestes dias maravilhosos em Nova Olinda. Saiba que somos seus fãs de carteirinha! Não só de seu trabalho, mas tambem de sua pessoa terna e sorridente!!

    Um forte abraço,

    Paulo Brandão & Elizah

    ResponderExcluir
  2. Momô, Ana Karla é Iêdo15 de agosto de 2010 10:14

    Oi Spacca gostamos muito do seu blog desejamos muitas felicidas. Estamos com muita saudades, um abraço de Momô, Ana Karla é Iêdo.

    ResponderExcluir
  3. Olá Spacca...
    Participei da Mostra...
    Belíssimo trabalho, esse que eles desenvolvem lá... Eu sou uma apaixonada convicta pela FCG, sou concluinte da graduação de Licenciatura em Letras - Português, em Petrolina-PE, e estou desenvolvendo minha monografia sobre o trabalho deles... Sua participação foi muito importante!!!
    Li seu texto, gostei muito e, vi que vc citou o vídeo onde Alemberg canta com Rosiane... Tem no youtube sim... Olha aí o endereço:
    http://www.youtube.com/watch?v=_k6en8A09sE
    Tem outros vídeos relacionados à FCG também...
    Grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  4. obrigado, Wiliana, já coloquei o link lá em riba. Abração!

    ResponderExcluir
  5. Senhor Spacca.

    Estive conversando com o Diniz que me contou a grande experiência que foi esse evento no Cariri. Parabéns, meu velho, foi muito bacana ver você atuando no meio da criançada.
    Gostei imensamente de ver isso.

    abração!

    ResponderExcluir
  6. Spacca, tu és o cara! enquanto eu circulava por lá, atento a tudo, não perdi o seu envolvimento com os 'cabinha', atencioso até o último rabisco, incansável...
    Então, os elogios acima são mais do que merecidos.
    Teu blog está agora nos meus 'favoritos' e de vez em quando darei uma espiada no que aprontas.
    Abraço,
    g.g.carsan

    ResponderExcluir
  7. Lindo post, Spacca.

    Não fiz minha matéria ainda porque cheguei no meio da Bienal a São Paulo e nela estou "internado".

    Mas farei, pois o trabalho desenvolvido no Cariri merece mais e mais divulgação. Sempre.

    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Graaande Spacca,

    este seu post-report ficou ótimo, e trouxe ao presente todo o alto-astral do evento... pois é, e vamos em frente, com o desejo de q as novas gerações tenham como instrumento de conhecimento os comics... e viva a Little Dotta!

    abração,
    Max Krichanã, jornalista
    www.dapraia.net (veja o blog!)

    ResponderExcluir
  9. GRANDE SPACCA,

    PENA QUE NÃO ME ENCONTREI COM VOCÊ E COM SUA SIMPÁTICA ESPOSA, AGORA EM SÃO PAULO.
    JÁ VOLTEI DA BIENAL DO LIVRO.
    AGRADEÇO PELAS BELAS FOTOS DA NOSSA VIAGEM AO CARIRI.

    ABRAÇÃO PRO`CÊS,

    JÔ OLIVEIRA

    ResponderExcluir